Realidade dos policias militares do Rio de Janeiro é tema de palestra em congresso sobre saúde mental

 

1/2

 

Entre os dias 22 e 24 de junho, a associada e psicóloga da Polícia Militar de Santa Catarina 3º sargento Vanessa de Jesus Gonçalves e os soldados do Corpo de Bombeiros Militar Cláudio Luiz Campos Júnior e Valéria Cardoso Fermino, participaram do XXI Congresso da Associação Brasileira de Saúde das Polícias Militares e Bombeiros Militares; XIV Congresso da Academia Nacional de Saúde das Polícias Militares e Bombeiros Militares do Brasil e IV Encontro de Saúde Mental, na cidade de Goiânia (GO).

 

Durante o Congresso, a policial e os bombeiros militares puderam participar de várias palestras enriquecedoras em suas áreas profissionais. A sargento Vanessa destaca a palestra “O Processo de Avaliação Psicológica para Restituição do Porte de Arma de Fogo - grupos Operativos”, como uma das mais importantes. O palestrante trouxe um pouco da realidade exaustiva dos policiais do Rio de Janeiro que estão adoecendo por problemas psicológicos mais cedo, em média com cinco anos de serviço, sendo 33% dos afastamentos por problemas de saúde mental. Isso deve ter como possíveis variáveis que contribuem para o fenômeno: o aumento da violência e do emprego dos policiais novatos nas UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora), ou seja, além de ser uma atividade frustrante por não estar relacionada com o ápice da energia e vigor do policial (ele vira um policial de base Operacional), ao mesmo tempo o deixa vulnerável num "território inimigo". “Porém, esses dados são anteriores à implantação do Serviço de Psicologia, que de forma empírica, com base na experiência e nos relatos, sem dados quantitativos tabulados, temos a impressão de terem diminuído”, afirmou Vanessa.

 

A psicóloga disse que a experiência trouxe uma bagagem grande de ideias de trabalhos a serem criados e desenvolvidos na Polícia Militar de Santa Catarina. Porém, os congressos a fez perceber que a PMSC tem um serviço de psicologia muito bem estruturado, que se faz presente em todo Estado, nas 11 Regiões Policiais Militares, enquanto que em outros Estados os trabalhos eram desenvolvidos apenas nas capitais. “Fazemos todas as avaliações psicológicas de concursos públicos; de seleções internas que requerem avaliação psicológica; avaliação psicológica para porte de arma de inativos; avaliações psicológicas de porte ou de perfil profissiográfico de policiais na ativa, são alguns exemplos dos trabalhos que desenvolvemos, disse Vanessa.

 

A PMSC atua no foco preventivo, atuando em momentos pós-incidente crítico, evitando adoecimento psicológicos mais severos e possui a disciplina Gerenciamento de Estresse e Saúde Mental para todos os cursos de formação de praças e oficial. “São políticas institucionais que vão valorizando o policial e a tendência é fortalecer esse viés, para cada vez mais o policial sentir que é o bem mais precioso da corporação”, afirmou a policial militar.

 

Vanessa diz que tudo o que aprendeu e escutou nesses três dias de congresso a fez perceber que a PMSC está no caminho certo e que a prevenção ainda é o melhor caminho. Ela, também, agradece a ABERSSESC pelo apoio e pela ajuda. “Só tenho a agradecer a ABERSSESC e a ASSEGO por ter proporcionado essa oportunidade, que com certeza reverterá em benefícios aos associados, bem como aos demais policiais militares”, finalizou.

 

O presidente da ABERSSESC, subtenente Flávio Hamann, agradece ao presidente da ASSEGO, subtenente Luís Cláudio Coelho de Jesus pela parceria, apoio, hospedagem e transporte da policial e dos bombeiros militares que estiveram presentes no congresso, em Goiânia (GO).

 

Fotos: Divulgação/ABERSSESC

Please reload

Destaques

Coronavírus: desde decreto do Governo do Estado, roubos e furtos caem 65,4%

26/03/2020

1/10
Please reload

Últimas Notícias