Buscar
  • Rafaela Dornbusch - MTB/SC - 2630

Assédio moral é tema da primeira palestra do II Encontro Latino Americano de Trabalhadores Públicos


Na manhã desta segunda-feira (5), o diretor social e cultural da ABERSSESC, subtenente Edison Linhares Júnior, que participa do II Encontro Latino Americano de Trabalhadores Públicos da Segurança Cidadã, em Belo Horizonte – Minas Gerais – assistiu a palestra do presidente do Sindicato dos Servidores da Polícia Civil do Estado de Minas Gerais – SINDPOL, Denilson Martins, sobre assédio moral.

O assédio moral passou a ser punido do Brasil depois que a Lei 12.250, de 9 de fevereiro de 2006, entrou em vigor. Segundo o palestrante, a Lei fez-se necessária após ser constatado o alto número de licenças – devido ao aumento de doenças, principalmente psicológicas – em virtude do assédio moral que muitos empregados e servidores públicos sofriam em seu ambiente de trabalho. Percebeu-se que houve um aumento de gastos com médicos e hospitais e, como consequência, a perda de potencial de trabalhadores altamente produtivos. Assédio moral é todo ato de humilhação pelos superiores como: repetições sistemáticas; intencionalidades; ameaças; rigor excessivo; imposição de sobrecarga de trabalho; horários de trabalho fora dos limites da razoabilidade; entre outros fatores.

Martins destacou ainda que os policiais e bombeiros militares – principalmente subtenente e sargentos – que estão entre oficiais e praças – sofrem uma grande pressão tanto de superior para subordinado, quanto de subordinado para superior. O presidente do SINDPOL disse que é importante discutir sobre o tema, falar de estrutura e maneiras de combater este assédio, que para ele também acontece nos meios militares. Ele destacou que a profissão de policial militar é a terceira mais estressante do mundo e precisa-se de uma política de combate ao assédio para que tenhamos um policial mais ágil, que trabalhe melhor, mais saudável e motivado para prestar um excelente serviço à população.

“Toda e qualquer forma de arbitrariedade que coloca você sozinho no banco dos réus é assédio moral. Precisamos pensar nisso e combater esta prática que assusta a todos nós e não pode ocorrer no ambiente de trabalho”, finalizou o palestrante.

Fotos: Divulgação/ABERSSESC


1 visualização